Tag: educação

Mãos segurando uma fitinha roxa com as palavras

Após três dias de atividades, 11 grupos selecionados pelo Desafio Criativos da Escola 2016 produziram vídeo colaborativo e foram reconhecidos por seus projetos.

No último dia 06 de dezembro aconteceu no Teatro Diplomata, em Salvador (BA), a premiação do Desafio Criativos da Escola 2016. Celebração que premia projetos protagonizados por crianças e jovens de todo o país que, apoiados por seus educadores, transformam as escolas, os alunos e suas comunidades. Esse ano foram selecionados 11 grupos, dentre os 1014 projetos enviados de todas as regiões do Brasil.

Os projetos selecionados foram Cruzando os Sertões da Mata Branca – Iguatu (CE), Descobrindo as riquezas da Gruta do Padre – Santana (BA), Ensinando e Aprendendo – Três Marias (MG), Entre versos e rimas: história e cultura local – Cascavel (CE), Libras: a voz do silêncio – Itapeva (SP), O uso do papel reciclado para a produção de embalagem para mudas – Lagoa Vermelha (RS), Para além dos muros da escola: intervindo no Jardim Maringá – São Paulo (SP), Solta esse Black – Rio de Janeiro (RJ), Tenda Móvel – Mulungu (CE), Urupet – Campo Grande (MS) e Utilização de plantas medicinais no município – Rio do Antônio (BA).

A diretora de comunicação do Instituto Alana e coordenadora do projeto Criativos da Escola destacou a importância da realização de projetos como esses em momentos de incerteza: “Mesmo nos momentos mais conturbados, a gente acredita que é por meio do diálogo, da reflexão conjunta e do fazer que conseguimos seguir adiante.” Marcos Nisti, vice-presidente e CEO do Instituto Alana, completou: “Nesse ano maluco, que mais parece uma obra de ficção, terminar ouvindo vocês [estudantes] é realmente inspirador. Vocês nos mostram que ainda é possível fazer a diferença”.

Colaboração, câmera e ação

Além da cerimônia de premiação, durante três dias, os estudantes participaram de atividades e oficinas para elaboração de um vídeo demonstrando a importância da colaboração para a mudança da realidade em que vivem. Para isso, os alunos tiveram o apoio da ONG Engajamundo, de seus educadores e o auxílio de profissionais da área de design e audiovisual. Os participantes construíram o cenário, elaboraram o roteiro, fizeram o levantamento de dados e de curiosidades sobre os projetos, realizaram entrevistas e deram vida ao vídeo que será divulgado em breve no site e Facebook do projeto Criativos da Escola.

Desafio Criativos da Escola 2016 (Foto: Saulo Brandão)
Desafio Criativos da Escola 2016 (Foto: Saulo Brandão)
Desafio Criativos da Escola 2016 (Foto: Saulo Brandão)
Desafio Criativos da Escola 2016 (Foto: Saulo Brandão)
Desafio Criativos da Escola 2016 (Foto: Saulo Brandão)
Desafio Criativos da Escola 2016 (Foto: Saulo Brandão)
Desafio Criativos da Escola 2016 (Foto: Saulo Brandão)
Desafio Criativos da Escola 2016 (Foto: Saulo Brandão)
Foto mostra crianças brincando em um parquinho e representa a educação inclusiva

Estudar em ambientes que valorizam a diversidade promove efeitos benéficos para pessoas sem deficiência. A afirmação está de acordo com a pesquisa “Os benefícios da educação inclusiva para estudantes com e sem deficiência”.

O estudo foi lançado pelo Instituto Alana e pela ABT Associates, em 3 de dezembro de 2016, tendo a coordenação de Thomas Hehir, professor da Universidade de Harvard. A data coincide com o Dia Internacional da Pessoa com Deficiência, instituído pela ONU. 

A análise é inédita e reúne mais de 89 estudos, de um levantamento de 280 artigos, publicados em 25 países. Ela mostra que pessoas sem deficiência que estudam em salas de aula inclusivas têm opiniões menos preconceituosas. Além disso, são mais receptivas às diferenças. 

Entre as crianças com síndrome de Down, há evidências de que a quantidade de tempo passado com os colegas sem deficiência está associada a benefícios acadêmicos e sociais. Por exemplo, com melhor memória e melhores habilidades de linguagem e alfabetização.

Educação inclusiva e o cultivo da diversidade

O convívio com a diversidade traz reflexos que são percebidos também na idade adulta. Ou seja, alunos com deficiência que foram incluídos são mais propensos a fazer um curso superior, pertencer a um grupo de amizades e encontrar um emprego. Ao mesmo tempo, apresentam maiores chances de viver de forma independente. 

Um grande número de pesquisas mostrou que esse grupo desenvolve habilidades mais fortes em leitura e matemática e têm maiores taxas de presença. Além disso, são menos propensos a ter problemas comportamentais e estão mais aptos a completar o ensino médio comparado com estudantes que não são incluídos.

“Apesar dessas informações, a realidade é que ainda há crianças com deficiências intelectuais, físicas, sensoriais e de aprendizagem. Elas enfrentam desafios no acesso à educação de qualidade, mesmo em países onde as leis garantem os direitos educacionais, como o Brasil.” Quem afirma é o membro do Grupo de Trabalho de inclusão do Instituto Alana, Gabriel Limaverde. 

Gabriel reforça que a inclusão efetiva de um estudante exige que os educadores desenvolvam capacidades de apoio às necessidades individuais das crianças e jovens. 

O resultado dessa pesquisa é uma mensagem clara de que a educação inclusiva deve ser norma e é benéfica para todos os estudantes.

Acesse aqui a pesquisa na íntegra.

Pessoas sentadas em frente a um auditório. Um telão no fundo.

Programa promove segundo encontro, de uma série de quatro, sobre as competências-chave para uma Escola Transformadora

No último dia 8 de novembro aconteceu, na UNIBES Cultural, em São Paulo, a roda de conversa ‘Protagonismo na educação – por uma sociedade de sujeitos transformadores’. Organizada pelo Programa Escolas Transformadoras, a iniciativa é a segunda de uma série de quatro rodas que acontecerão até 2017.

A roda sobre protagonismo na educação foi mediada por Raquel Franzim e Antonio Lovato, coordenadores do Programa no país. Estiveram presentes lideranças das Escolas Transformadoras do Brasil, Venezuela e Argentina, estudantes, representantes de organizações da sociedade civil, jornalistas, pesquisadores, psicólogos, arquitetos, entre outros debatedores que, juntos, pensaram sobre o que é ser protagonista e como este protagonismo se destaca entre crianças e jovens.

Durante a conversa, os debatedores trouxeram à tona o momento político vivido pelo país e as ocupações dos estudantes secundaristas como uma notável revelação de protagonismo juvenil. A arquiteta e pesquisadora Beatriz Goulart ressaltou que o protagonismo também tem a ver com o espaço físico das escolas: “Precisamos de lugares para encontros e debates – precisamos de outro tempo e espaço. E esse é o papel da escola, pensar sobre qual lugar vai acolher o que deseja-se fazer”.

Fátima Limaverde, fundadora e coordenadora da Escola Vila (CE), ressaltou que ‘o fazer’ é fundamental para que o protagonismo se revele: “Na Vila abrimos espaço para que as crianças e os jovens se expressem, critiquem, falem, debatam e façam escolhas. Trabalhamos para que eles possam exercer sua cidadania de forma plena, sempre num papel atuante. Acho que esse é o caminho”, comentou, lembrando que durante as eleições municipais, a escola promoveu um debate com os candidatos à prefeitura de Fortaleza e que os alunos foram os responsáveis por organizar, mediar as mesas e construir as perguntas.

Leia o livro composto de dez artigos aqui.

Assista ao vídeo abaixo e confira como foi este encontro inspirador!

 

X