Author: heloisa

Uma luneta permite ver mais e melhor e, ao mesmo tempo aproxima o que parece estar longe. E quando usamos diversas lunetas para olhar para as infâncias no Brasil? É este olhar que o portal jornalístico Lunetas pretende explorar, para as múltiplas infâncias.

Pensado para famílias e interessados na temática da infância, a iniciativa do Instituto Alana está no ar desde maio e se propõe a falar sobre crianças de todas as idades – da barriga até os doze anos. Por meio de reportagens, especiais, vídeos, dicas de eventos culturais, brincadeiras e textos de opinião, o Lunetas deseja mostrar como a infância é um período fundamental para a construção de cada indivíduo e da sociedade como um todo.

Para contribuir com a produção de informações qualificadas, o portal conta com colunistas de diferentes áreas, editorias temáticas relevantes às reflexões sobre a realidade e as demandas das infâncias brasileiras. Além disso, oferece uma experiência de navegação intuitiva e inovadora, com filtros e formatos variados.

“O Alana acredita no jornalismo de qualidade e na informação como pilar básico para que as pessoas tomem as melhores decisões de acordo com os seus contextos. Por isso, é uma alegria pra gente poder lançar o Lunetas e contribuir com esse ecossistema”, diz Carolina Pasquali, diretora de Comunicação do Alana.

– Facebook (www.facebook.com/portallunetas/)
– Instagram (www.instagram.com/portal_lunetas/)

Educadores são profissionais que sempre buscam qualificar suas práticas. Fazem isso por meio de cursos, de leituras e de trocas de experiências. Com a expansão da internet é possível ver inúmeras redes de compartilhamento de materiais didáticos disponíveis para Educação Infantil, e estes estão entre os itens educativos mais procurados no Google Brasil, segundo a empresa.

Pensando nisso, a Associação Nova Escola, com o apoio do Alana, da Fundação Lemann e o Google.org vão viabilizar a elaboração de planejamentos para Educação Infantil alinhados à nova Base Nacional Curricular Comum. A iniciativa seleciona professores de escolas públicas e privadas de todo o Brasil para a construção de 500 novos planejamentos que estarão disponíveis online de maneira gratuita a partir de fevereiro de 2019.

Segundo Raquel Franzim, assessora pedagógica da equipe de Educação e Cultura da Infância do Alana, os planejamentos serão elaborados para serem “pulsantes e inspiradores, assim como as crianças. A ideia dos materiais é quebrar o modelo de planejamento passo-a-passo e trazer um estilo mais investigativo, vivo e reflexivo, partindo daquilo que a criança já faz e é capaz”.

A iniciativa procura valorizar também o conhecimento do professor e possibilitar a troca entre educadores. Para o desenvolvimento dos materiais, o projeto vai selecionar 33 professores que farão parte de três etapas de trabalho: formação à distância (EAD), formação presencial e processo de construção dos planejamentos, com a participação de mentores e especialistas.

O grande desafio nessa produção será desenvolver materiais que auxiliem na formação e desenvolvimento integral de crianças respeitando e valorizando suas diferenças, estimulando as múltiplas linguagens e as culturas infantis nos espaços escolares.

As inscrições para os professores que desejam participar da iniciativa vão até 14 de maio, saiba mais aqui.

Foto: Unsplash

Com os ares soprando a favor, no dia 21 de março, o Videocamp, plataforma online que oferece gratuitamente filmes de impacto para exibições públicas, pousou em Nova York, sede da Organização das Nações Unidas (ONU), durante a Conferência do Dia Internacional da Síndrome de Down. Lá lançou o 2º Edital Videocamp de Filmes Transformadores de US$ 400 mil que vai financiar uma produção (média ou longa) com o tema: Educação Inclusiva.

O edital, inteiramente dedicado a produtores independentes, está na segunda edição. Em 2017, o tema foi “Diálogos” e a produção selecionada será lançada em breve (saiba mais aqui). Agora o Videocamp está em busca de uma proposta que provoque a desconstrução de barreiras, sejam elas atitudinais, pedagógicas, arquitetônicas ou de comunicação, sobre o tema Educação Inclusiva. As inscrições estão abertas para projetos de animação, ficção ou documentário de qualquer lugar do mundo, até o dia 21 de junho (acesse a página do edital no site).

“Estamos à procura de uma visão criativa que amplie a percepção dos benefícios que a educação inclusiva traz para todas as pessoas, com e sem deficiência. Com ajuda de uma rede global de parceiros, a divulgação irá garantir que o filme atinja o público mais amplo possível, pois acreditamos no cinema como um dos meios mais poderosos para inspirar e provocar mudanças. Queremos receber propostas que nos tirem do lugar-comum, que ampliem o debate, que sensibilizem a sociedade como um todo”, explica Carolina Pasquali, diretora do Videocamp.

O Edital quer colocar em pauta uma questão de extrema importância e relevância social e provocar a mudança deste cenário. Na página do edital, a área “Inspire-se” reúne artigos, livros, filmes e outros materiais sobre educação inclusiva como fonte de pesquisa para todos aqueles que querem saber um pouco mais sobre o assunto. Os projetos finalistas serão anunciados no dia 1º de setembro e o projeto selecionado será divulgado no dia 21 de setembro, após avaliação de um júri.

X