Category: Notícias

0

Estudo faz parte de uma pesquisa coordenada pela professora de Neurociência do Instituto Picower de Aprendizagem e Memória do MIT, Li-Huei Tsai, que recebe auxílio do Alana Foundation

Uma pesquisa do Instituto Picower de Aprendizagem e Memória do MIT (Massachusetts Institute of Technology), revelou um novo tratamento para a doença de Alzheimer. Divulgada no dia 8 de dezembro na revista Nature, o estudo, coordenado pela professora Li-Huei Tsai, aponta que por meio de uma estimulação visual é possível reduzir significativamente a quantidade da proteína beta-amiloide, que em excesso no cérebro provoca os sintomas do Alzheimer.

Usando luzes de LED em uma frequência específica, os pesquisadores verificaram a redução da beta-amiloide nos cérebros de camundongos. O tratamento não invasivo induz ondas cerebrais que ajudam a suprimir a produção da proteína e ainda revigoram as células responsáveis pela sua destruição.

Segundo a professora Li-Huei Tsai, diretora do Instituto Picower e coordenadora do estudo, são necessárias pesquisas adicionais para determinar se a abordagem pode ajudar os pacientes com Alzheimer. “Se os seres humanos se comportarem de forma semelhante aos camundongos em resposta a este tratamento, eu diria que o potencial é enorme, por não ser invasivo, e por ser tão acessível”, explica Tai.

O Alana Foundation, fundação brasileira que investe em pesquisas de ponta e inovadoras, contribui com auxílio às pesquisas desenvolvidas no Instituto Picower de Aprendizagem e Memória do MIT. Para Marcos Nisti, CEO do Instituto Alana, do qual o Alana Foundation faz parte, o auxilio à pesquisa é fundamental para garantir que os cientistas alcancem tais descobertas. “O resultado apresentado por Li-Huei Tsai pode contribuir de maneira significativa no tratamento do Alzheimer. Estamos felizes em poder contribuir com essa possibilidade”, comemora Nisti.

Foto: Reprodução/ YouTube

 

0

Após três dias de atividades, 11 grupos selecionados pelo Desafio Criativos da Escola 2016 produziram vídeo colaborativo e foram reconhecidos por seus projetos.

No último dia 06 de dezembro aconteceu no Teatro Diplomata, em Salvador (BA), a premiação do Desafio Criativos da Escola 2016. Celebração que premia projetos protagonizados por crianças e jovens de todo o país que, apoiados por seus educadores, transformam as escolas, os alunos e suas comunidades. Esse ano foram selecionados 11 grupos, dentre os 1014 projetos enviados de todas as regiões do Brasil.

Os projetos selecionados foram Cruzando os Sertões da Mata Branca – Iguatu (CE), Descobrindo as riquezas da Gruta do Padre – Santana (BA), Ensinando e Aprendendo – Três Marias (MG), Entre versos e rimas: história e cultura local – Cascavel (CE), Libras: a voz do silêncio – Itapeva (SP), O uso do papel reciclado para a produção de embalagem para mudas – Lagoa Vermelha (RS), Para além dos muros da escola: intervindo no Jardim Maringá – São Paulo (SP), Solta esse Black – Rio de Janeiro (RJ), Tenda Móvel – Mulungu (CE), Urupet – Campo Grande (MS) e Utilização de plantas medicinais no município – Rio do Antônio (BA).

A diretora de comunicação do Instituto Alana e coordenadora do projeto Criativos da Escola destacou a importância da realização de projetos como esses em momentos de incerteza: “Mesmo nos momentos mais conturbados, a gente acredita que é por meio do diálogo, da reflexão conjunta e do fazer que conseguimos seguir adiante.” Marcos Nisti, vice-presidente e CEO do Instituto Alana, completou: “Nesse ano maluco, que mais parece uma obra de ficção, terminar ouvindo vocês [estudantes] é realmente inspirador. Vocês nos mostram que ainda é possível fazer a diferença”.

Colaboração, câmera e ação

Além da cerimônia de premiação, durante três dias, os estudantes participaram de atividades e oficinas para elaboração de um vídeo demonstrando a importância da colaboração para a mudança da realidade em que vivem. Para isso, os alunos tiveram o apoio da ONG Engajamundo, de seus educadores e o auxílio de profissionais da área de design e audiovisual. Os participantes construíram o cenário, elaboraram o roteiro, fizeram o levantamento de dados e de curiosidades sobre os projetos, realizaram entrevistas e deram vida ao vídeo que será divulgado em breve no site e Facebook do projeto Criativos da Escola.

Desafio Criativos da Escola 2016 (Foto: Saulo Brandão)
Desafio Criativos da Escola 2016 (Foto: Saulo Brandão)
Desafio Criativos da Escola 2016 (Foto: Saulo Brandão)
Desafio Criativos da Escola 2016 (Foto: Saulo Brandão)
Desafio Criativos da Escola 2016 (Foto: Saulo Brandão)
Desafio Criativos da Escola 2016 (Foto: Saulo Brandão)
Desafio Criativos da Escola 2016 (Foto: Saulo Brandão)
Desafio Criativos da Escola 2016 (Foto: Saulo Brandão)
1

Novo estudo, coordenado por professor da Universidade de Harvard, apresenta panorama das principais pesquisas sobre educação inclusiva publicadas no mundo

O Instituto Alana e a ABT Associates, sob coordenação do Dr. Thomas Hehir, professor da Harvard Graduate School of Education, lançaram a pesquisa “Os benefícios da educação inclusiva para estudantes com e sem deficiência”, no dia 3 de dezembro, data instituída pela ONU para promover o Dia Internacional da Pessoa com Deficiência. A grande novidade é que o estudo sugere, na maioria dos casos, que estudar em ambientes que valorizam a diversidade promove efeitos benéficos em pessoas sem deficiência.

Essa análise inédita reúne mais de 89 estudos, de um levantamento de 280 artigos publicados em 25 países, e mostra que pessoas sem deficiência que estudam em salas de aula inclusivas têm opiniões menos preconceituosas e são mais receptivas às diferenças. Entre as crianças com síndrome de Down, há evidências de que a quantidade de tempo passado com os colegas sem deficiência está associada a uma variedade de benefícios acadêmicos e sociais, como uma melhor memória e melhores habilidades de linguagem e alfabetização.

Esse convívio traz reflexos que são percebidos também na idade adulta, já que a análise aponta que alunos com deficiência que foram incluídos são mais propensos a fazer um curso superior, pertencer a um grupo de amizades, encontrar um emprego ou viver de forma independente. Um grande número de pesquisas mostrou que esse grupo desenvolve habilidades mais fortes em leitura e matemática, têm maiores taxas de presença, são menos propensos a ter problemas comportamentais e estão mais aptos a completar o ensino médio comparado com estudantes que não são incluídos.

“Apesar dessas informações, a realidade é que ainda há crianças com deficiências intelectuais,, físicas, sensoriais e de aprendizagem que enfrentam desafios no acesso à educação de qualidade e mesmo em países onde as leis garantem os direitos educacionais a esses alunos, como o Brasil. A inclusão efetiva de um estudante exige que os educadores desenvolvam capacidades de apoio às necessidades individuais das crianças e jovens, e o resultado dessa pesquisa é uma mensagem clara de que a inclusão deve ser norma, e é benéfica, para todos os estudantes”, explica Gabriel Limaverde, membro do Grupo de Trabalho de inclusão do Instituto Alana.

Acesse a pesquisa completa:

Português

Inglês

Espanhol