Author: laura

0

Nos dias 13 e 15 de julho, São Paulo e Rio de Janeiro, respectivamente, receberam o I Seminário Criança e Natureza organizado pelo recém lançado projeto do Instituto Alana, o Criança e Natureza. Pioneiro no Brasil, o evento procurou trazer informações e reflexões sobre a importância da conexão entre a criança e a natureza sob diferentes perspectivas: educação, saúde, cidades e meio ambiente.

Nas duas cidades o Seminário contou com uma roda de conversa com especialistas, com foco nos principais fundamentos e reflexões sobre o tema, uma vivência na natureza, conduzida pelo Instituto Romã e Instituto Árvores Vivas; conversas com organizações que já promovem a conexão de crianças e jovens com a natureza; e o lançamento do livro ‘A Última Criança na Natureza’ de Richard Louv, com palestra do autor. Tanto em São Paulo, como no Rio, os Seminários contaram com Cris Velasco, educadora e contadora de histórias, como mestre de cerimônia.

Em São Paulo, no Auditório da Bienal no Parque Ibirapuera, participaram Cecilia Herzog, professora de Projeto Urbano e Paisagismo na PUC-Rio; Daniel Becker, pediatra especialista em homeopatia; e Lea Tiriba, educadora-ambientalista. Participaram também a OUTWARD BOUND BRASIL (OBB), organização educacional, pioneira mundial em educação experiencial ao ar livre; e o Programa Rede da Vaga Lume, que faz a mediação entre educadores, escolas e ONGs da cidade de São Paulo e de comunidades rurais da Amazônia Legal brasileira.

Veja também:
– Espaço Alana na 7ª edição da Semana Mundial do Brincar
– Roda de conversa: a importância da empatia na educação
– ‘O Começo da Vida’ tem estreia mundial pelo VIDEOCAMP

No Rio de Janeiro, no Teatro Tom Jobim que fica dentro do Jardim Botânico, participaram a professora de Educação Ambiental Christiana Profice; a pedagoga Maria Amélia Pinho Pereira (Peo); o médico pediatra Ricardo Ghelman; e a canadense Suzanne Crocker que documentou nove meses de sua vida, isolada com o marido e os três filhos em uma pequena cabana no meio da floresta. Ser Criança é Natural, que promove encontros para pais e filhos, onde as crianças tem um contato direto e sensível com a natureza; e o Instituto Moleque Mateiro (IMM), criado com o objetivo de proporcionar momentos de prazer e aprendizado na natureza, participaram do evento carioca.

Além dessa intensa troca de experiências, o evento contou com a presença do jornalista norte-americano e especialista em advocacy pela infância Richard Louv, que lançou a edição em português do seu livro ‘A Última Criança na Natureza’ (‘The Last Child in the Woods’), que já vendeu mais de 500 mil exemplares e foi traduzido em 15 idiomas. O autor, referência no tema, cunhou o termo não médico Transtorno do Déficit de Natureza que busca chamar atenção para o impacto negativo da falta da natureza na vida das crianças.

Vivência realizada em São Paulo (Foto: Aline Arruda)
Maria Isabela Barros, consultora do Criança e Natureza, Daniel Becker, Cecilia Herzog, Lea Tiriba
Ana Lucia Villela e o jornalista Richard Louv (Foto: Aline Arruda)
Linha do tempo no Seminário de São Paulo (Foto: Aline Arruda)
Rita Mendonça conduzindo a vivência na natureza no Rio de Janeiro (Foto: Daniel Lobo)
Laís Fleury, coordenadora do projeto Criança e Natureza (Foto: Daniel Lobo)
Ricardo Ghelman, Peo, Cacau, professora de Educação Ambiental, Christiana Profice_RJ
Richard Louv e Suzanne Crocker no Rio de Janeiro (Foto: Daniel Lobo)
0

Entre os dias 23 e 27 de maio, o Espaço Alana participou da 7ª edição da Semana Mundial do Brincar com inúmeras atividades. Na abertura do evento foi realizado, no Jardim Pantanal, o 1º Painel Infância e Ludicidade, que reuniu educadores de São Miguel Paulista e região, para uma sensibilização sobre a importância do brincar, com a exibição do filme “Território do Brincar”. Ao longo da semana oficinas, jogos, exposição fotográfica, atividades físicas e um sarau intergeracional aconteceram no Espaço Alana.

O tema desta edição da Semana Mundial, “O Brincar que Encanta o Lugar”, buscou provocar uma reflexão sobre o poder que as crianças têm de encantar os lugares em que o brincar acontece. Além de sensibilizar e conscientizar os adultos sobre a importância do brincar e refletir sobre os impactos das consequências de haver cada vez menos tempo para isso na infância.

Durante a semana foi a vez das crianças se divertirem com jogos, oficinas de brinquedos e atividades lúdicas. No dia 25, foi celebrado o Dia do Desafio, em parceria com o SESC Itaquera, com performances de dança esportiva e circuito de recreação. Para encerrar as atividades da Semana, no dia 27, aconteceu o Sarau Cultural, que tem o apoio do Projeto Continuar, Cia. No Baú da Boneca e Grupo Poetas do Tempo.

O Slowkids, iniciativa da Respire Cultura com o apoio do Instituto Alana, também fez parte da Semana Mundial do Brincar, no dia 29, no Parque Villa Lobos, zona oeste de São Paulo.

Veja também:
– Roda de conversa: a importância da empatia na educação
– Redes contra retrocesso nos direitos das crianças
– ‘O Começo da Vida’ tem estreia mundial pelo VIDEOCAMP

Foto: Divulgação/ Instituto Alana

1

Por Mariana Antonieta Prado/ Escolas Transformadoras

No dia 19 de maio, aconteceu no espaço Crisantempo uma roda de conversa que reuniu 15 especialistas de diversas áreas para discutir o conceito de Empatia, uma das quatro competências necessárias para a formação de sujeitos transformadores.

O objetivo do evento foi construir, coletivamente, um entendimento sobre a importância da empatia como um valor e como uma competência que pode ser aprendida e cultivada na escola. Isso se insere  em um contexto de transformação de visões sobre a educação que observamos no Brasil e no mundo onde a atenção volta-se para a formação integral em que habilidades, tal como as socioemocionais, que por tanto tempo estiveram fora dos muros das escolas, hoje são valorizadas.

Além desses especialistas, outras cem pessoas estiveram  presentes, entre elas, diretores ou coordenadores de institutos e fundações de educação, líderes de sindicatos e secretarias de educação, editores de veículos da mídia especializados, diretores e membros de comunidades escolares. O evento foi filmado e transmitido ao vivo parapara cerca de 1160 de 229 cidades e 16 países.

Renato Janine Ribeiro, professor titular de Ética e Filosofia da FFLCH-USP e ex ministro da educação, abriu o evento explorando os conceitos de “paixão, compaixão razão e  educação”, tal como o filósofo Rousseau os aprofundou em suas obras.

Ana Cláudia Leite e Flávio Bassi, mediadores da conversa e líderes do programa Escolas Transformadoras, partindo da premissa de que a empatia pode ser aprendida e cultivada e que ela é a base para a formação de crianças transformadoras, iniciaram o debate  com duas perguntas: Quais são as principais implicações dessas premissas para a educação? Quais estratégias e ações podemos pensar juntos para ajudar a criar e/ou ampliar a demanda social por uma educação que equacione empatia com transformação social (por exemplo, como influenciar os pais para que promovam e esperem isso da educação de seus filhos, faculdades de educação para que incorporem em sua formação docente, governos para que esteja previsto nas políticas públicas, comunicadores para que pautem essa discussão na sociedade, etc.)?

Luciana Fevorini (Colégio Equipe), Sílvia Carneiro (Escola Amigos do Verde) , Sônia Ribeiro (Escola Luiza Mahin), Ana Elisa (E.M. Des. Amorim Lima), Maria Amélia (Colégio Viver), Kátia e Marcos (CIEJA Campo Limpo),  líderes das equipes das escolas reconhecidas pelo programa,  participaram da roda de conversa, representando a rede das Escolas Transformadoras. Trouxeram para a conversa a realidade cotidiana das escolas, ilustrando com exemplos como, de fato, é de responsabilidade dos educadores propiciar condições para que a Empatia seja vivenciada e aprendida dentro da escola.

Segundo Maria Amélia, diretora do Colégio Viver, é equivocado achar que a criança é naturalmente empática: “dentro da escola, em uma situação de conflito, é muito difícil fazer com que a criança se coloque com a cabeça do outro em uma situação adversa da dele. A empatia tem que ser desenvolvida e tem mecanismos para se fazer isso. É um exercício constante que cada vez mais deixa de existir em nossa sociedade, nas famílias, nas ruas. Quando eu era pequena, a gente brincava em uma rua que existia mais diversidade. Hoje tudo é mais setorizado e isso dificulta o exercício de se colocar no lugar do outro”, disse.

Confira no vídeo abaixo e confira como foi este encontro inspirador!

 

Foto: Rodolfo Goud