Author: laura

1

Por Mariana Antonieta Prado/ Escolas Transformadoras

No dia 19 de maio, aconteceu no espaço Crisantempo uma roda de conversa que reuniu 15 especialistas de diversas áreas para discutir o conceito de Empatia, uma das quatro competências necessárias para a formação de sujeitos transformadores.

O objetivo do evento foi construir, coletivamente, um entendimento sobre a importância da empatia como um valor e como uma competência que pode ser aprendida e cultivada na escola. Isso se insere  em um contexto de transformação de visões sobre a educação que observamos no Brasil e no mundo onde a atenção volta-se para a formação integral em que habilidades, tal como as socioemocionais, que por tanto tempo estiveram fora dos muros das escolas, hoje são valorizadas.

Além desses especialistas, outras cem pessoas estiveram  presentes, entre elas, diretores ou coordenadores de institutos e fundações de educação, líderes de sindicatos e secretarias de educação, editores de veículos da mídia especializados, diretores e membros de comunidades escolares. O evento foi filmado e transmitido ao vivo parapara cerca de 1160 de 229 cidades e 16 países.

Renato Janine Ribeiro, professor titular de Ética e Filosofia da FFLCH-USP e ex ministro da educação, abriu o evento explorando os conceitos de “paixão, compaixão razão e  educação”, tal como o filósofo Rousseau os aprofundou em suas obras.

Ana Cláudia Leite e Flávio Bassi, mediadores da conversa e líderes do programa Escolas Transformadoras, partindo da premissa de que a empatia pode ser aprendida e cultivada e que ela é a base para a formação de crianças transformadoras, iniciaram o debate  com duas perguntas: Quais são as principais implicações dessas premissas para a educação? Quais estratégias e ações podemos pensar juntos para ajudar a criar e/ou ampliar a demanda social por uma educação que equacione empatia com transformação social (por exemplo, como influenciar os pais para que promovam e esperem isso da educação de seus filhos, faculdades de educação para que incorporem em sua formação docente, governos para que esteja previsto nas políticas públicas, comunicadores para que pautem essa discussão na sociedade, etc.)?

Luciana Fevorini (Colégio Equipe), Sílvia Carneiro (Escola Amigos do Verde) , Sônia Ribeiro (Escola Luiza Mahin), Ana Elisa (E.M. Des. Amorim Lima), Maria Amélia (Colégio Viver), Kátia e Marcos (CIEJA Campo Limpo),  líderes das equipes das escolas reconhecidas pelo programa,  participaram da roda de conversa, representando a rede das Escolas Transformadoras. Trouxeram para a conversa a realidade cotidiana das escolas, ilustrando com exemplos como, de fato, é de responsabilidade dos educadores propiciar condições para que a Empatia seja vivenciada e aprendida dentro da escola.

Segundo Maria Amélia, diretora do Colégio Viver, é equivocado achar que a criança é naturalmente empática: “dentro da escola, em uma situação de conflito, é muito difícil fazer com que a criança se coloque com a cabeça do outro em uma situação adversa da dele. A empatia tem que ser desenvolvida e tem mecanismos para se fazer isso. É um exercício constante que cada vez mais deixa de existir em nossa sociedade, nas famílias, nas ruas. Quando eu era pequena, a gente brincava em uma rua que existia mais diversidade. Hoje tudo é mais setorizado e isso dificulta o exercício de se colocar no lugar do outro”, disse.

Confira no vídeo abaixo e confira como foi este encontro inspirador!

 

Foto: Rodolfo Goud

0

As Redes Nacionais de Defesa de Direitos Humanos com atuação na área dos direitos da criança e do adolescente lançaram uma Carta Aberta contra as ameaças de retirada de direitos, diante do contexto político atual. No documento, as Redes reafirmam a importância da articulação da sociedade civil para evitar retrocessos. Clique aqui para acessar o documento.

“Nesse sentido, ressaltamos que só a permanente articulação da sociedade civil, com a unidade e a mobilização de associações, fóruns, movimentos e redes, conjugando seus esforços e assegurando a construção coletiva, poderá fazer enfrentamento à retirada de direitos e aos possíveis retrocessos”, diz um trecho do documento.

O texto é assinado pela Associação Nacional dos Centros de Defesa da Criança e do Adolescente/ Seção Brasil da Defence for Children International e Representante na REDLAMYC, Comitê Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes, Fórum Nacional de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente – FNDCA, Fórum Nacional de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil – FNPETI, Rede ECPAT Brasil Pelo Fim da Exploração, Abuso Sexual e Tráfico de Crianças e Adolescentes, Movimento Nacional de Direitos Humanos (MNDH), Rede Não Bata, Eduque e Rede Nacional da Primeira Infância. A seguir a íntegra da Carta Aberta.

CARTA ABERTA DAS REDES NACIONAIS DE DEFESA DE DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES

1 – As Redes Nacionais de Defesa de Direitos Humanos, com atuação especial na temática de Direitos de Crianças e Adolescentes, bem como as demais organizações da sociedade civil, vem, reafirmando o compromisso com a área da infância e juventude, tornar pública a presente Carta.

2 – Obtivemos conquistas e promovemos avanços na última década.

3 – Ainda restam desafios a serem superados para a proteção integral e a garantia de direitos de crianças e adolescentes.

4 – As conquistas e avanços, resultados de ampla mobilização social de setores que defendem esse segmento estão ameaçados em decorrência de propostas tendentes à redução da maioridade penal, à redução da idade mínima pra o trabalho, de retirada de direitos sociais de crianças e adolescentes, de desmonte de programas de transferência de renda e projetos contra os direitos sexuais e reprodutivos, entre outros.

5 – Em referida conjuntura de fragilidades, é inaceitável o enfraquecimento da Política de Direitos Humanos e em especial de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente.

6 – Esse lamentável retrocesso, que acentua a invisibilidade da pauta de direitos humanos de crianças e adolescentes, assim como o contexto de pautas antidemocráticas leva-nos à registrar o público posicionamento.

7 –Posicionamo-nos pelo aprofundamento da democracia, que necessariamente passa pela redução das desigualdades sociais e pela ampliação de direitos, principalmente de crianças e adolescentes, dos povos tradicionais, indígenas, do campo.

8 – Somos inteiramente contrários a toda forma de corrupção, sobretudo aquela decorrente de um sistema econômico que mercantiliza a vida de crianças e adolescentes.

9 – Ressaltamos que a garantia de direitos humanos de crianças e adolescentes não pode ser enfraquecida ou esvaziada. Nesse sentido defendemos a ampliação da participação de crianças e adolescentes em todos os espaços de decisão que impactam as suas vidas.

10 – Reforçamos que o Sistema de Garantia de Direitos (SGD) precisa ser fortalecido em investimentos e cumprimento da legislação vigente. Sobretudo, o fortalecimento dos conselhos de direitos e dos conselhos tutelares, instâncias conquistadas a partir de processos democráticos.

11 – Nesse sentido, ressaltamos que só a permanente articulação da sociedade civil, com a unidade e a mobilização de associações, fóruns, movimentos e redes, conjugando seus esforços e assegurando a construção coletiva, poderá fazer enfrentamento à retirada de direitos e aos possíveis retrocessos.

12 – Reafirmamos a coesão e a unidade em torno da construção da Política de Direitos Humanos e de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente, privilegiando o Fórum Nacional de Direitos da Criança e do Adolescente (Fórum Nacional DCA) como espaço de articulação e mobilização das distintas organizações de direitos humanos, por meio de suas redes estaduais e locais, bem como da articulação com outras redes nacionais, reafirmando a sua legitimidade e resistindo às dissensões que acabam por vulnerabilizar a pauta de direitos e conquistas.

Assinam:

  • Associação Nacional dos Centros de Defesa da Criança e do Adolescente/ Seção Brasil da Defence for Children International e Representante na REDLAMYC
  • Comitê Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes
  • Fórum Nacional de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente – FNDCA
  • Fórum Nacional de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil – FNPETI
  • Rede ECPAT Brasil Pelo Fim da Exploração, Abuso Sexual e Tráfico de Crianças e Adolescentes
  • Movimento Nacional de Direitos Humanos (MNDH)
  • Rede Não Bata, Eduque
  • Rede Nacional da Primeira Infância

(Informações: Rede Ecpat Brasil)

Foto: Via Flickr

3

Longa metragem que aborda a importância dos primeiros anos de vida, estreia nos cinemas brasileiros e em todo o mundo, por meio da plataforma online VIDEOCAMP.

O filme ‘O Começo da Vida’, novo documentário da diretora Estela Renner (‘Criança a Alma do Negócio’ e ‘Muito Além do Peso’) entrou em cartaz em 21 cidades brasileiras no dia 5 de maio. Ao mesmo tempo, foi disponibilizado na plataforma online e gratuita VIDEOCAMP, para exibição públicas, nas cidades em que o filme não estava em cartaz, inclusive no exterior. Nos primeiros quatro dias, todas as sessões nos cinemas lotaram e 500 exibições foram agendadas pela plataforma.

“O VIDEOCAMP existe para difundir o cinema como ferramenta de transformação social, e a mensagem do ‘O Começo da Vida’ é de que se mudarmos o começo da história, mudamos a história inteira. Por isso, o VIDEOCAMP e o filme estão juntos para levar essa ideia para o maior número de pessoas em diferentes lugares”, explica Carolina Pasquali, diretora de Comunicação do Instituto Alana.

A plataforma disponibilizará o filme dublado em seis idiomas e legendado em 21 línguas, além de oferecer acessibilidade em LIBRAS, closed caption e audiodescrição, no aplicativo MovieReading para smartphones e tablets.

Gravado no Brasil e em outros oito países, ‘O Começo da Vida’ aborda os avanços da neurociência nos últimos anos sobre os primeiros anos da primeira infância – período que vai da gestação aos seis anos. A partir de entrevistas com especialistas e visita à famílias de diferentes culturas e classes sociais o filme mostra que os bebês se desenvolvem não apenas a partir de seu DNA, mas da combinação entre sua carga genética e as relações com aqueles que os rodeiam. Para Estela Renner, diretora do longa, “os registros emocionais tanto para o bem quanto para o mal têm um peso muito maior neste período, que é um momento de formação, criação e  estruturação da pessoa”, diz.

‘O Começo da Vida’ é uma produção da Maria Farinha Filmes, apresentado pela Fundação Maria Cecilia Souto Vidigal, Fundação Bernard Van Leer, Instituto Alana e o UNICEF (Fundo das Nações Unidas para a Infância).

Veja também:
Alana nos CEUs: parceria entre o Instituto e a SME
– ‘Território do Brincar’ é o mais assistido no VIDEOCAMP
VIDEOCAMP está no ar com novidades