Author: laura

15

‘Brinquedos do Chão’ é o primeiro livro de uma série que irá discutir o brincar e os 4 elementos da natureza 

No próximo dia 5 de novembro, o Instituto Alana lança, em parceria com a editora Peirópolis ‘Brinquedos do Chão: a natureza, o imaginário e o brincar’, o primeiro livro de uma série de quatro do educador e artista plástico Gandhy Piorski em São Paulo (veja no final do texto fotos do evento*). No Rio de Janeiro o lançamento será dia 8 de novembro.

Gandhy estuda o brincar e o brinquedo há mais de 20 anos. Por suas andanças Brasil afora, na busca por conhecer a criança brasileira, se deparou com a intimidade e o manejo que elas têm com os elementos da natureza. Assim, deu início a um estudo profundo sobre o brincar e os 4 elementos: terra, fogo, ar e água.

Nesse livro, o pesquisador adentra o universo do brincar com o elemento terra, e busca compreender como ele dialoga com o reino imaginário da criança.

Confira abaixo o bate-papo que fizemos com ele.

Instituto Alana – O professor Marcos Ferreira, que prefaciou o seu livro, diz que você é um pesquisador alimentado pela ‘curiosidade crianceira’. O que as crianças despertam em você?

Gandhy Piorski – Em principio não existia um interesse direto pela infância, mas pelo universo do artista brincante. As artes e as brincadeiras sempre chamaram a minha atenção. Sempre gostei muito de teatro de bonecos. Em meados dos anos 90, pude conhecer o mestre Zezito, e estudar com ele. Ele que me transmitiu um encantamento pela alma do brinquedo tradicional, feito por artesãos. Foi então que montei uma oficina e comecei a construir brinquedos, propor projetos para arquitetar espaços de brincar, realizar oficinas com crianças e jovens da periferia de Fortaleza e, com isso, iniciei uma pesquisa própria. Fiquei até 1999 trabalhando quase que exclusivamente com construção de brinquedos.

IA – E quando a criança tornou-se o foco da sua pesquisa?

GP – Em 2003 ganhei a Bolsa Virtuose, cedida pelo Ministério da Cultura, para realizar um estudo no Museu do Brinquedo de Sintra, em Portugal. Conheci diversos pesquisadores, entre eles o professor João Amado, da Universidade de Coimbra, que pesquisa os brinquedos construídos por crianças da Península Ibérica. Um dia, durante uma conversa, ele me levou até as ruínas de Conímbriga, cheia de mosaicos, de brinquedos e brincadeiras das crianças romanas, e me deu uma aula sobre esses brinquedos. Depois, lançou a pergunta: você conhece as crianças do Brasil? Já pesquisou os brinquedos que elas constroem? Isso mexeu comigo e me conduziu a olhar para a criança.

IA – O significado do brinquedo mudou quando você começou a olhar para a criança?

GP – Mudou completamente. Quando entrei de cabeça no universo da infância o brinquedo estético e produzido perdeu a expressão para mim; eu enxerguei uma camada anterior – que é a imaginação da criança – e que falava com muito mais riqueza sobre o universo da infância. É na imaginação que residem todos os elementos do brincar. O brinquedo foi perdendo sua concretude.

IA – Depois dessa nova ótica para o brinquedo, como você guiou suas pesquisas?

GP – Eu voltei de Portugal e, no mês seguinte, já estava no Pará, em áreas ribeirinhas de Belém, olhando as crianças. Também fiz um trabalho para a Instituição Dragão do Mar. Eles me convidaram para montar uma grande exposição de brinquedos construídos por crianças cearenses. Fiz uma pesquisa de dois anos, em 25 regiões do Ceará. Foi dessa experiência – entre 2005 e 2007 – que nasceu o livro Brinquedos do Chão. A escrita foi no campo – eu parava a noite e escrevia. Comecei a entrar de cabeça nos elementos da natureza, relacionando-os com o brincar.

IA – O que a criança busca quando brinca com os elementos da natureza?

GP – Busca um anseio humano muito antigo, de se entranhar no mundo e conhecê-lo nas suas múltiplas dimensões. A força imaginária conduz a criança a conhecer as experiências mais estruturantes da vida – e essas experiências estão na natureza.

IA – E o que ela busca ao brincar com a terra em específico?

GP – A brincadeira da terra é uma brincadeira de estrutura. A criança busca a inteireza, a concretude da vida, quer compreender os materiais no todo e manifesta isso nos seus fazeres. No livro eu falo sobre as investigações do oculto: abrir os animais para ver o que tem dentro, cavar a terra, a brincadeira de esconde-esconde. Esses momentos revelam o fascínio do encontro. A criança tira os véus da vida para poder criar intimidade e se aninhar com o mundo, ela quer conhecer os fundamentos de todas as coisas e a terra permite essa descoberta.

IA – Você afirma no livro que a imaginação é a verdade da criança. Poderia explicar?

GP – A imaginação é a faculdade com a qual a criança dialoga com a vida. É o oposto da consciência racional, que analisa e cria conceitos. A imaginação é fundada pelo simbólico, pelo encanto, e não por uma linguagem moralista. O olhar simbólico nos deixa permear pelas matérias do mundo, já o olhar analítico nos afasta das experiências. Quem vive por mais tempo o alimento imaginário constrói uma organização sensorial mais aprofundada, por isso precisamos educar as crianças, desde cedo, nessa expressão do imaginário.

IA – Existe um imaginário que atravessa as diferentes culturas infantis?

GP – Sim. O contato com a elementaridade do mundo dá uma universalidade para o brincar. O barquinho, por exemplo, é universal na cultura das brincadeiras. O menino que nasce no sertão vai acessar o elemento água tanto quanto o menino que nasce na beira da praia. Mas as narrativas serão diferentes, pois a cultura vai dar o contorno para as brincadeiras. O menino do mar constrói um barquinho de forma mais refinada do que o do sertão, mas os dois contêm em si os mesmos elementos imaginários da água. Isso é um arcaísmo genético – a água acorda informações genéticas comuns aos dois meninos, porque essas informações estão no fundamento do humano.

IA – A exposição que acompanha o lançamento do livro traz brinquedos que crianças construíram com sucatas da cidade. Como relacionar com os brinquedos do chão, feitos com elementos da natureza?

GP – Ela vem para dar um contraponto: não precisamos ficar restritos ao sonho ideal do brincar na natureza, o mais importante é conhecer a imaginação da criança, como ela se estrutura e, a partir disso, encontrar no mundo espelhos que alimentem essa imaginação. Nessa exposição estão expostos brinquedos feitos com materiais da indústria. Mas não qualquer material, são sucatas inteligentes, como um freio de bicicleta – que abre ramos na imaginação e evita o linear. É preciso criar encantamento nas matérias, porque a imaginação é do reino do encanto, ele que acorda o interesse vivo em criar.

IA – Qual o convite que o livro faz ao leitor?

GP – O livro trata sobre a base fundamental de diálogos da criança com o mundo e inaugura uma reflexão sobre o comportamento imaginador da criança. É para todos que se interessam pela criança: pessoas da área da cultura que produzem obras para crianças, artistas, arquitetos que têm pensado ambientes para a infância, urbanistas, educadores que estão nas escolas.

Gestos do Chão

Durante o lançamento do livro foi exibido o Gestos do Chão, curta-metragem que discute a relação do elemento terra com o corpo e a imaginação da criança. A partir de depoimentos de um permaculturista, um arquiteto e um coreógrafo, o filme aborda como a paisagem, a matéria e o gesto do brincar fundamentam na criança noções matriciais de pertencimento e identidade. O filme tem direção do Gandhy Piorski e da Renata Ursaia e está disponível na plataforma VIDEOCAMP.

*Veja fotos do lançamento em São Paulo:

Apresentação do grupo musical UIRAPURU (Foto: Rodolfo Goud)
Sessão de autógrafos do livro 'Brinquedos do Chão' com o autor  Gandhy Piorski (Foto: Rodolfo Goud)
Exposição de brinquedos (Foto: Rodolfo Goud)
Exposição de brinquedos (Foto: Rodolfo Goud)
Exposição de brinquedos (Foto: Rodolfo Goud)
Exposição de brinquedos (Foto: Rodolfo Goud)
0

Dois projetos que foram reconhecidos nacionalmente na primeira edição do Desafio Criativos da Escola representarão o Brasil no encontro Be the Change Conference’.

Duas das cinco escolas selecionadas na 1ª edição do Desafio Criativos da Escola, representarão o Brasil, pela primeira vez, na ‘Be the Change Conference’, conferência mundial do Design for Change, que esse ano acontece em Pequim, na China. O encontro reunirá, em dezembro, centenas de crianças e jovens que desenvolvem projetos de protagonismo social ao redor do mundo. Nesta edição haverá a participação de uma aluna do Colégio Estadual Hermes Miranda do Val, de Simões Filho, na Bahia, e de uma jovem da Escola Menezes Pimentel, de Pacoti, no Ceará – ambas acompanhadas pelos educadores responsáveis pelos projetos.

A conferência é organizada e promovida anualmente pelo movimento global Design for Change, presente em 35 países e que, no Brasil, é representado pelo Instituto Alana por meio do Criativos da Escola. Para dividir suas experiências, além de participar de oficinas, workshops e atividades culturais, a aluna da Bahia contará o caso do Grupo de Apoios e Conselhos (GAC), criado para reduzir os furtos dentro da escola e combater o clima de desconfiança entre os estudantes. Após a criação do grupo, o número de ocorrências escolares foi zerado e os alunos criaram um vínculo de empatia entre si, modificando por completo a convivência no ambiente escolar.

Já os estudantes do Ceará garantiram o reconhecimento de seu trabalho ao construírem o primeiro Ecomuseu da cidade, que armazena riquezas da Mata Atlântica em pleno sertão cearense. Com a ajuda de um engenheiro da comunidade, os alunos conseguiram a doação de um terreno e recursos para viabilizar a construção do museu.

As inscrições para a segunda edição do Desafio Criativos da Escola já estão abertas e, neste ano, a premiação reconhecerá 10 iniciativas em todo o país. Os interessados podem enviar não apenas projetos já finalizados como também aqueles que ainda estiverem em andamento até o dia 15 de outubro de 2016 pelo site do Criativos da Escola. Esta segunda edição do prêmio tem como parceiro o programa Parceria Votorantim pela Educação, desenvolvido pelo Instituto Votorantim.

Foto: Via Flickr

0

Produtora do filme ‘O Começo da Vida’ é a primeira empresa brasileira a ser homenageada na ‘B The Change Media’, categoria ‘Workers’ no Brasil

A produtora Maria Farinha Filmes (MFF) será homenageada pela ‘B the Change Media’ (Sistema B) na categoria ‘Workers’ como uma das melhores empresas para trabalhar, sendo a única empresa brasileira a figurar na lista que contempla 124 corporações de 15 países e em 14 diferentes áreas de atuação. O evento de homenagem ‘Best for the World Celebration & Awards Ceremony’, ocorre no dia 8 de setembro, na Universidade da Califórnia, Haas Business School de Berkeley, nos Estados Unidos. O prêmio também reconhece as empresas com as melhores práticas relacionadas às comunidades, clientes e ao meio-ambiente.

Para receber a certificação, a empresa precisa ter altos padrões de gestão e transparência, gerar benefícios sociais e ambientais, além de passar por um rigoroso processo de avaliação, renovado a cada dois anos se a empresa comprovar que suas práticas e políticas de sustentabilidade estão em avanço. Este ano, a MFF atingiu índices 10% superiores aos recomendados na avaliação, que mensura critérios como a relação da empresa com sua força de trabalho, a partir de indicadores como remuneração, benefícios, oportunidades, flexibilidade, cultura corporativa, saúde dos trabalhadores, práticas de segurança, formação, ambiente de trabalho, entre outros.

Produtora do filme ‘O Começo da Vida’, de Estela Renner, lançado globalmente em junho deste ano e exibido em 54 países, a Maria Farinha foi a primeira produtora da América Latina a receber a certificação ‘B Corporation’ em 2013, mesmo ano que o Sistema B, movimento global independente que busca criar um ecossistema que tem como missão redefinir o conceito de sucesso nos negócios, chegou ao Brasil.