Author: laura

0

O órgão é composto por representantes de entidades da sociedade civil e de ministérios do Governo Federal.

O Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (Conanda) realizou em dezembro a eleição para definir os representantes das entidades da sociedade civil que farão parte do Conselho durante o biênio 2017-2018. Foram eleitas 14 entidades titulares e 14 suplentes, a publicação com o resultado saiu dia 10 de janeiro de 2017 no Diário Oficial da União.

O Instituto Alana, representado pela advogada do projeto Prioridade Absoluta, Thaís Dantas, fará parte como suplente do Conanda no Eixo III, que trata de questões relacionadas à saúde, educação, assistência social, esporte, lazer, trabalho, justiça e segurança pública, das crianças e adolescentes em acolhimento, em cumprimento e/ou egressos de medidas socioeducativas.

O Conanda foi criado pela Lei 8.242, em outubro de 1991, e tem como principal competência elaborar as normas gerais da política nacional de atendimento dos direitos da criança e do adolescente, além de fiscalizar as ações de execução, observando o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). Atualmente, o Conanda faz parte da Secretaria de Direitos Humanos, vinculada ao Ministério da Justiça e Cidadania.

Veja abaixo a lista das entidade eleitas:

Eixo I – Fóruns, comitês, redes e movimentos de nível nacional de composição exclusiva da sociedade civil, que atuam pela promoção, proteção, defesa e controle social dos direitos da criança e do adolescente.

Titular: Fundação Fé e Alegria do Brasil

Suplente: Rede Nacional de Pessoas Trans do Brasil – REDTRANS

Eixo II – Temáticas de pessoas em situação de rua, crianças e adolescentes com deficiência, representativas da diversidade e identidade de gênero, orientação sexual, étnico-racial, de nacionalidade, do campo, da floresta e das águas, povos e comunidades tradicionais.

Titulares: Associação Maylê sara Kali – AMSK; Casa de Cultura Ilê Asé D’ Osoguâ – CCIAO; Centro de Educação e Cultura Popular – CECUP; Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura – CONTAG; Federação Nacional das APAES – FENAPAES

Suplentes: Associação Nacional Criança não é de Rua; Movimento Nacional de Meninos e Meninas de Rua – MNMMR; Movimento Nacional de Direitos Humanos –MNDH; Coletivo Nacional de Juventude Negra – ENEGRECER; Articulação Brasileira de Gays – ARTGAY

Eixo III – Temáticas de saúde, educação, assistência social, esporte, lazer, trabalho, justiça e segurança pública, das crianças e adolescentes em acolhimento, em cumprimento e/ou egressos de medidas socioeducativas.

Titulares: Associação Brasileira de Educação e Cultura – ABEC; Associação Nacional dos Centros de Defesa da Criança e do Adolescentes – ANCED; Central Única dos Trabalhadores – CUT; Conferência Nacional dos Bispos do Brasil – CNBB; Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil – OAB; Federação Brasileira das Associações Cristãs de Moços – ACM; Federação Nacional dos Empregados em Instituições Beneficentes, Religiosas e Filantrópicas – FENATIBREF; Instituto Tellus

Suplentes: Conselho Federal de Psicologia – CFP; Instituto Alana; Aldeias Infantis SOS Brasil; Associação Nacional dos Magistrados Brasileiros – AMB; Educação e Mobilização Social – AVANTE; Conselho Federal de Serviço Social – CFESS; Fundação Luterana de Diaconia – FLD; Fundação Abrinq Pelos Direitos da Criança e do Adolescente

Foto: Free Images

 

 

1

Ilustração: Marina Papi

Em um ano com tantos desafios, acreditamos que o importante é aquilo que cada um deixa para o mundo em sua caminhada. Por isso, reunimos abaixo algumas das coisas nas quais nos envolvemos e que deixamos para esse mundo melhor com o qual sonhamos diariamente. Agradecemos a todos que estiveram com a gente nesse ano e esperamos que essas (e outras) conquistas inspirem mudanças, novos olhares, esperanças e coragem.

Seguimos juntos em 2017!*

Clique nos títulos para saber mais:

*Estaremos em férias coletivas entre os dias 24/12/2016 e 02/01/2017.

0

Estudo faz parte de uma pesquisa coordenada pela professora de Neurociência do Instituto Picower de Aprendizagem e Memória do MIT, Li-Huei Tsai, que recebe auxílio do Alana Foundation

Uma pesquisa do Instituto Picower de Aprendizagem e Memória do MIT (Massachusetts Institute of Technology), revelou um novo tratamento para a doença de Alzheimer. Divulgada no dia 8 de dezembro na revista Nature, o estudo, coordenado pela professora Li-Huei Tsai, aponta que por meio de uma estimulação visual é possível reduzir significativamente a quantidade da proteína beta-amiloide, que em excesso no cérebro provoca os sintomas do Alzheimer.

Usando luzes de LED em uma frequência específica, os pesquisadores verificaram a redução da beta-amiloide nos cérebros de camundongos. O tratamento não invasivo induz ondas cerebrais que ajudam a suprimir a produção da proteína e ainda revigoram as células responsáveis pela sua destruição.

Segundo a professora Li-Huei Tsai, diretora do Instituto Picower e coordenadora do estudo, são necessárias pesquisas adicionais para determinar se a abordagem pode ajudar os pacientes com Alzheimer. “Se os seres humanos se comportarem de forma semelhante aos camundongos em resposta a este tratamento, eu diria que o potencial é enorme, por não ser invasivo, e por ser tão acessível”, explica Tai.

O Alana Foundation, fundação brasileira que investe em pesquisas de ponta e inovadoras, contribui com auxílio às pesquisas desenvolvidas no Instituto Picower de Aprendizagem e Memória do MIT. Para Marcos Nisti, CEO do Instituto Alana, do qual o Alana Foundation faz parte, o auxilio à pesquisa é fundamental para garantir que os cientistas alcancem tais descobertas. “O resultado apresentado por Li-Huei Tsai pode contribuir de maneira significativa no tratamento do Alzheimer. Estamos felizes em poder contribuir com essa possibilidade”, comemora Nisti.

Foto: Reprodução/ YouTube